Preço do petróleo abaixo dos zero dólares?

O pior dia da história do mercado de petróleo

Segunda-feira, 20 de abril, será lembrada como o pior dia da história do mercado de petróleo. O preço, pura e simplesmente, desceu para valores negativos – algo sem precedentes. Ou seja, os vendedores estiveram dispostos a pagar aos compradores para se desfazerem dos contratos (e do petróleo). Nunca o mercado de petróleo tinha enfrentando uma situação sequer semelhante. Embroa não seja inédito um ativo descer abaixo de zero, tais eventos são muito raros.

queda do petróleo
queda do petróleo

Aproveite a volatilidade e Opere Petróleo na XTB

Como é que é sequer possível que o preço do petróleo seja negativo?

Em primeiro lugar, deve-se esclarecer que a situação circunscreveu-se aos contratos de futuros do petróleo WTI relativos a 20 de maio, cujo vencimento foi terça-feira, 21 de abril. Isto significa que apenas uma pequena parte do mercado estava ainda em negociação, uma vez que os contrato de 20 de Junho são bem mais líquido agora. Os contratos com datas de liquidação posteriores também são mais líquidos e mais caros que o contrato de 20 de maio.

Tal situação no mercado futuro é denominada de “contango”. Na prática, significa que há muito petróleo no mercado e os produtores preferem armazená-lo e vendê-lo mais tarde por preços mais altos. O petróleo bruto nessa quantidade simplesmente não é mais necessário no mercado agora.

Preço do petróleo abaixo dos zero dólares?
Opções Binárias na IQ Option com rentabilidades até 100%

Continuando, deve-se observar que os contratos WTI têm subjacentes a transação efetiva da mercadoria em causa ​​- por outras palavras, a menos que a posição seja fechada (isto é, que o investidor se veja livre do contrato), o comprador / vendedor terá que recolher/entregar o petróleo bruto. As especificações de entrega dos contratos cotados na bolsa CME podem ser encontradas abaixo.

Como já mencionamos, o vencimento do contrato significa que a entrega ou cobrança deve ser feita. No entanto, entregas físicas são bastante raras e representam apenas 1 a 10% de todos os contratos futuros.

Mas então, como é que alguém pode realizar lucros e prejuízos das negociações de futuros? Os participantes do mercado fazem isso assumindo a posição oposta do mesmo volume. Por exemplo, se um investidor comprou 4 contratos de WTI, ele pode fechar essa posição vendendo 4 contratos de WTI (com a mesma validade). No caso de um mercado líquido, é fácil o encontro entre as duas partes do mercado para realizar essa compensação sem que haja a necessidade de realizar entrega física da mercadoria, uma vez que as posições são mutuamente anuladas.

No entanto, o mercado de 20 de maio não foi nada líquido ontem. Todos estavam a vender e não havia compradores na véspera do vencimento. Os juros em aberto eram muito baixos (menos de 16 mil contratos) e o volume ainda mais baixo (apenas 2489!). Os produtores poderão não ter desejado desfazer-se dos seus negócios de hedge e efetivamente quererem entregar petróleo.

Outra explicação possível para os preços negativos é a venda adicional de petróleo por produtores dispostos a pagar para que alguém recolha o petróleo armazenado, a fim de libertar algum espaço de armazenamento para o petróleo atualmente produzido e evitar paragens de produção, que são sempre muito dispendiosas.

Resumindo, havia quase 16 mil contratos restantes no final da sessão de ontem, o que equivalia a 16 milhões de barris de petróleo. Supondo que todas eram posições longas, é urgente encontrar armazenamento para 16 milhões de barris.

Já conhece as Opções Binárias? Entenda como funcionam estas apostas na subia e descida dos preços: Opções Binárias

De onde vêm os problemas de entrega?

A desaceleração económica, a enorme oferta de petróleo e, finalmente, a pandemia de coronavírus causaram o maior excesso de petróleo da história. A situação exerceu grande pressão de queda sobre os preços e levou a um contango significativo. Produtores e investidores preferem armazenar petróleo e vendê-lo no futuro a um preço mais alto. Por sua vez, as instalações globais de armazenamento estão saturadas.

Estima-se que os Estados Unidos tenham espaço livre para armazenar entre 180 a 280 milhões de barris. Supondo que os stocks aumentem em média 10 milhões de barris por semana e a produção e a procura permaneçam inalteradas, o espaço de armazenamento acabará a meio do ano ou mais cedo até. Diz-se que o espaço de armazenamento global ainda disponível varia entre 0,9 e 1,8 mil milhões de barris.

Caso a procura pare e a produção permaneça em 100 milhões de barris por dia, todo o espaço de armazenamento disponível será preenchido em 9 a 18 dias. Dado o excesso de oferta de 10 milhões de barris, é claro que isso levará 10 vezes mais tempo. Em teoria, ainda não há razões para pânico. No entanto, a situação parece tornar-se mais negra se olharmos para Cushing, nos Estados Unidos.

Cushing é o principal ponto de liquidação de futuros e entregas de petróleo nos Estados Unidos. É também um dos maiores centros de armazenamento dos Estados Unidos e quase todos os oleodutos estão ligados a esse local. É também o local onde começam muitos dos oleodutos que levam crude às maiores refinarias ou centros de armazenamento. Cushing é especialmente interessante a nível de armazenamento devido à capacidade de se desfazer do petróleo muito rapidamente.

Acontece que o espaço de armazenamento disponível em Cushing está a acabar. Estima-se que até 90 milhões de barris possam ser armazenados em Cushing, mas devido a razões técnicas e logísticas, um número mais realista fica pelos 76 a 80 milhões de barris.

Nas últimas duas semanas, os stocks de petróleo em Cushing aumentaram cerca de 6 milhões de barris por semana. Supondo que a situação continue a esta taxa e a capacidade máxima de armazenamento seja de 80 milhões de barris, o espaço disponível em Cushing esgotará nas próximas 4 semanas!

Preço do petróleo abaixo dos zero dólares?

Os stocks de petróleo em Cushing estão a aumentar rapidamente. A este ritmo, o armazenamento disponível pode acabar rapidamente. Fonte: Bloomberg

Além disso, outros fatores devem ser mencionados para explicar a falta de compradores de petróleo. As refinarias dos EUA não têm procurado tanto petróleo, já que a procura caiu e a capacidade de transferência dos oleodutos também é limitada.

Como é que isso se reflete nos preços futuros?

Em teoria, o mercado não deveria preocupar-se muito com o vencimento dos contratos. Por outro lado, há uma grande probabilidade de que a situação se repita no futuro. Se os problemas de armazenamento de curto prazo persistirem e os preços continuarem a cair, é possível que o problema seja ampliado no futuro.

O preço do contrato do WTI para 20 de junho chegou a tocar os  US $ 11 por barril na sessão de terça-feira. O pior ainda pode estar à nossa frente, uma vez que o grande ETF de petróleo dos EUA – USO – detém cerca de 20% da participação em aberto no contrato de 20 de junho e teme-se que venha a encerrá-las para as futuras séries já entre 5 e 8 de maio. A liquidação presente poderá, na verdade, ser uma tentativa de antecipar as vendas em massa que a USO pode estar para fazer.

Na nossa opinião, a situação poderá melhorar assim que a procura começar a recuperar, ou seja, com o levantamento das restrições ao livre trânsito.  Se as expectativas ne uma redução nos stocks melhorar, os preços dos contratos de curto prazo poderão recuperar e limitar o contango no mercado.Preço do petróleo abaixo dos zero dólares?Mergulhos dos preços do petróleo resultantes da falta de espaço de armazenamento disponível no curto prazo. Fonte: XTB

Artigo Originalmente publicado na XTB

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Iniciar Chat
Iniciar Chat
Este mercado, sendo simples, não é fácil. Deixe seu EMAIL para acesso a Sinais e Curso.
Scroll to Top